Clipping 07/07 + Cultura

Terça Feira – 7 de julho – Richard Starkey, mais conhecido como Ringo Starr, baterista dos Beatles, assopra 75 velinhas.

-E é ele que canta Yellow Submarine, sabia?-

-E é ele que canta Yellow Submarine, sabia?-

Encontro, com Rousseff

Ontem contamos que depois da convenção do PSDB, Dilma percebeu que as conversas sobre a interrupção de seu mandato voltaram à tona e, por isso, chamou todos os seus friends pra uma conversa. Neste encontro, ela tomou duas providências. A primeira, para dar uma despressurizada, foi pedir para que seus brothers não votem nesta semana o projeto que muda a correção do FGTS (falaremos disso quando rolar a votação). A segunda, mais ligada às movimentações para lhe tirarem do poder, foi montar um pequeno time para conduzir essa questão delicada da análise das pedaladas fiscais no Tribunal de Contas da União (TCU). Assim, para representar a linha de frente de defesa do governo, foram escalados o ministro do planejamento, Nelson Barbosa, e o advogado geral da união, Luís Inácio Adams.

Eu não vou, eu não vou!

E o que ela fez logo depois dessa reunião? Foi dar uma entrevista para a Folha para mostrar o quanto estava segura. Na entrevista (que pode ser vista na íntegra aqui), Dilma oscilou entre suas três velocidades básicas: arrogante, sobrevivente da ditadura e pseudo-desencanada.  Com esses espíritos, garantiu diversas vezes de diversas formas que não sairá do cargo, classificando como golpista os movimentos da oposição que querem destroná-la, afirmando: “eu não vou cair. Isso é moleza, é luta política.”. Para completar, desafiou qualquer um a provar que ela “pegou um tostão” de corrupção. Aproveitou para reafirmar sua posição de desprezo para com delatores e disse que o PMDB é ótimo. No fim, a mensagem que passou é que está tranquila, mesmo com as situações política e econômica do jeito que estão.

Programa de Proteção ao Emprego

Lembram há uns dias quando dissemos que a proposta da Mercedes de reduzir a jornada de trabalho e o salário de seus funcionários era mais uma prova da baita crise que o setor está passando? Então. Tanto isso era verdade que Dilma acaba de soltar uma Medida Provisória (MP 680) que permite justamente a redução de salário e jornada de trabalho em até 30% para trabalhadores de setores em crise por até um ano, desde que se garanta a estabilidade de emprego desse pessoal no mesmo período. É óbvio que esta medida tem como grande objetivo dar um help o setor de automóveis que, como já dissemos várias vezes por aqui, está passando por um período de crise cabuloso. Agora vamos para alguns detalhes:

1- A medida se estende para qualquer setor em crise, não apenas automóveis.

2- Para a empresa poder aplicar esta redução, é preciso que os trabalhadores (em sua maioria) que serão afetados aceitem a proposta.

3- Na realidade, embora a lei preveja uma redução de salário na proporção da redução de jornada, o salário recebido pelo trabalhador será reduzido só pela metade porque a outra metade será bancada pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Para explicar: Manolo ganha 2 mil. Se aderir a redução de 30%, vai trabalhar 30% a menos e a empresa de Manolo pagará 30% a menos para ele, porém, Manolo receberá apenas 15% a menos, já que os outros 15% serão bancados pelo FAT. Entendeu?

4- O salário recebido com a redução não poderá ser inferior ao salário mínimo, que atualmente está em R$ 788,00.

-UFA! O Speed Racer não vai mais precisar demitir seu pai-

-UFA! O Speed Racer não vai mais precisar demitir seu pai-

Execução

Se você olha a foto abaixo, acha que estamos falando de que?

1436278821060

É óbvio que se trata de mais um daqueles horrorosos vídeos de execuções do Estado Islâmico, né?

É. Só que não. Esse vídeo foi gravado por seis gênios sem noção funcionários do banco HSBC de Londres como parte de uma atividade para incentivar trabalho em equipe. Precisa falar que o bagulho foi de extremo mau gosto? Isso me fez lembrar de um filme chamado O Abutre (tem no Netflix (título original: Nightcrawler)) que mostra como o discurso de empresas pode ser usado para justificar os atos de um psicopata. Mas esses caras conseguiram ir além! E sabe o que eles ganharam? Um belo e merecido pé na bunda.

Cultura

Série especial – As 13 Maiores Guerras (afinal, eles lutaram por alguma coisa, né?)

por Guilherme Rodrigues

 

Batalha das Termópilas e a guerra contra os Persas

Em especial, há dois grandes historiadores da Grécia, um dórico e outro jônio, Heródoto e Tucídides. Este último narrou em seus famosos oito livros a Guerra do Peloponeso, protagonizada por atenienses e espartanos, mas é o primeiro que narra uma das mais famosas batalhas da Grécia.

Heródoto nos narra que nos fins do séc. VI a.C., o império Persa começou um pequeno conflito contra algumas cidades-estado (as famosas póleis gregas) do território helênico devido a uma revolta de jônios no território persa supostamente encorajada por atenienses. O então rei persa, Dario, enviou emissários pedindo presentes e desculpas por parte dos gregos, porém não encontraram o que queriam. Os mensageiros de Dario foram julgados e executados em Atenas e, em Esparta, jogados ao fundo de um poço para a morte.

Entre todas as batalhas famosas entre gregos e persas, a mais delas que nos chegou através da cultura-pop é a batalha das Termópilas. Após a morte de seu pai Dario, Xerxes assume o comando do exército persa e consegue angariar um grande número de soldados para a invasão do território grego. O feito deveria ser por terra, já que os atenienses, liderados por Temístocles, construíram uma frota imensa de trirremes (barcos de guerra) impedindo o avanço persa pelo mar Egeu; desta maneira que as outras cidades-estado gregas ficaram com o duro trabalho de parar o exército de Xerxes.

battle_thermopylae

-Onde rolou a batalha-

-Localizou?-

-Localizou?-

Os espartanos (lacedemônios, como eram chamados por Heródoto), coríntios, micênios foram liderados pelo rei Leônidas de Esparta com a missão de barrar um pequeno estreito que levava ao sul da Grécia (Beócia e Ática), a famosa passagem das Termópilas. Segundo a estratégia de Temístocles de Atenas, o menor número de gregos poderia parar o exército muito maior de persas.

Apesar disso, os espartanos estavam em um momento de celebração dupla, de festivais da cidade e também de jogos olímpicos, o que tornava as atividades militares suspensas por lei. Heródoto inclusive narra uma famosa profecia de que: “fossem os lacedemônios para a guerra, ou seriam saqueados pelos filhos de Perseu ou todos na terra da Lacônia chorariam a morte de um rei, descendente do grande Héracles”. Assim, Leônidas partir para a batalha certo de que morreria (pela profecia) e conseguindo angariar somente 300 homens de sua guarda.

Leônidas e Termópilas por Jacques-Louis David

-Leônidas e Termópilas por Jacques-Louis David-

Em caminho para Termópilas, o exército de Esparta foi reforçado e chegou no estreito com um contingente de aproximadamente sete mil homens, dividido em dois para prevenir os persas de desviar por uma pequena passagem mais ao leste. Plutarco e Heródoto, os dois historiadores da batalha nos narram que, durante o conselho antes da batalha, Leônidas foi advertido pelos fócios que “por causa das flechas dos bárbaros, é impossível ver o sol”, o que foi respondido por uma das frases mais famosas do rei:“Não seria bom, então, ter sombra onde batalhamos contra eles?”.

Foi antes do começo da batalha que Xerxes tentou um acordo com os gregos, recusado por Leônidas. Não se sabe exatamente quantos persas haviam por lá (estudiosos supõe um número entre 70 e 300 mil), mas, apesar de muito maior em número, conseguiram derrotar os gregos somente depois de três dias, e supostamente, por intervenção de um traidor trácio. Supostamente muitos gregos recuaram, mas apenas os 300 espartanos, 700 téspios e 400 tebanos todos morreram segurando o exército persa, já que eles eram“superiores em valor e no tamanho de seus escudos”.

Leônidas foi morto, decaptado e crucificado por Xerxes em sua ira. Os persas ainda avançaram na Beócia, mas foram derrotados por Temístocles na batalha de Salâmis. Apesar da derrota nas Termópilas, os gregos nunca esqueceram os espartanos, imortalizados em um epitáfio escrito por Simônides escrito em uma pedra onde morreram:

“Ó estrangeiro, avisa os lacedemônios que aqui

jazemos, às ordens obedecendo.”

944_simonides_monument_to_spartans

Esta é a 2ª edição de uma série especial sobre as 13 Maiores Guerras (Afinal eles lutaram por algum motivo, né?). Confira as edições anteriores nos links abaixo!

Na semana que vem: As Conquistas de Alexandre, o Grande

 

1- Guerra de Troia

 

Guilherme Rodrigues é Corinthiano, mas mesmo assim estudou no ensino superior e é professor de língua portuguesa e literatura, e ainda curte apreciar uma arte por aí. Escreve para o Clip13 toda terça.

 Momento Relax

Dedicado ao nosso querido Diogo Brandão

FLAMENGO-RECEBE-VISITAS

Gostou e quer receber os próximos clippings?

Cadastre seu email em nosso Blog – http://www.clip13.wordpress.com

Curta nossa página no Facebook – facebook.com/cliptreze

Nos siga no Twitter – @Cliptreze

Ou mande um email para noticias.clip13@gmail.com !

O Clip13 é uma ferramenta para divulgar as notícias de forma rápida e divertida. Para maiores detalhes ou para conferir a fonte de cada notícia, basta clicar no título e você será redirecionado para a página original. Crédito das imagens: 1, 2, 3

Anúncios

Deixe seu comentário...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s